Aracy de Almeida é celebrada em "A rainha dos parangolés", por Marcos Sacramento e Luiz Flavio Alcof
Show retorna a São Paulo, nos dias 15 e 16 de junho, no Sesc Avenida Paulista A direção e o roteiro são de Hermínio Bello de Carvalho Espetáculo foi criado para o centenário da cantora, em 2014

quarta, 13 de junho de 2018

Compartilhar:

Em 2014, o Sesc Belenzinho convidou Hermínio Bello de Carvalho para criar um espetáculo em homenagem ao centenário da intérprete favorita de Noel Rosa. Assim, sob encomenda, nascia o espetáculo "Aracy de Almeida - A rainha dos parangolés", com o cantor Marcos Sacramento e o violonista Luiz Flavio Alcofra em cena. 

Adiantando a efeméride dos 30 anos sem Aracy de Almeida, a serem completados em junho de 2018, o espetáculo acaba de virar disco pela Acari Records. As 10 faixas reunindo 18 músicas foram gravadas no estúdio Raphael Rabello, um luxo da Casa do Choro, onde o álbum foi lançado em dezembro de 2017. 

Sacramento lembra do emprego controverso da Arquiduquesa do Encantado na tevê, já nos anos 80, e traça um retrato interessante da artista quando jovem.

"A minha geração conheceu a Aracy como a jurada mal humorada do programa do Silvio Santos. Que revelação descobrir a cantora! Na década de 90 comecei a gravar Noel nos meus discos de samba e percebi que Aracy sempre foi vanguarda: andava com os poetas, bebia com os boêmios e cantava com uma liberdade acintosa na época. Iconoclasta, outsider, debochada e rainha, sim, mas dos parangolés", dispara.

O disco traz sucessos, como "O orvalho vem caindo" (Noel Rosa e Kid Pepe),  "Camisa amarela" (Ary Barroso), "Quando tu passas por mim" (Antonio Maria e Vinicius de Moraes), "Filosofia", "São coisas nossas" (ambas do Noel), "Onde está a honestidade?" (Noel Rosa e Francisco Alves), e "Ganha-se pouco mas é divertido" (Wilson Batista), todas muito atuais. Marcos Sacramento e Luiz Flavio Alcofra foram minuciosamente dirigidos por Hermínio, que também fez o roteiro, e os arranjos foram coletivos, puxados pelas mãos certeiras do violonista.

"Sacramento é um grande amigo e um cantor fantástico. Esse é o nosso primeiro disco juntos", pontua o mestre das cordas. Hermínio sentiu uma certa paz quando viu a homenagem decolar.

"Era uma dívida que contraí comigo mesmo, a de não deixar que o tempo apagasse a importância de Aracy no panorama cultural do país - e não somente como excepcional intérprete, mas também como uma personalidade que poderia ser igualada a seus amigos Di Cavalcanti, Antonio Maria, Noel Rosa, Custódio Mesquita e Valzinho, por exemplo, e tantos outros que moldaram a nossa cultura com os seus contornos mais vanguardistas. Seja com pincéis, goivas, máquinas de escrever ou, no caso da Aracy, com aquelas cordas vocais encorpadas num timbre raríssimo que logo chamou a atenção de Mário de Andrade e tantos outros", rebobina e contextualiza.

Para o show, além das músicas que estão na bolacha, a dupla interpreta "Se eu morresse amanhã" (Antonio Maria), "Caco velho" (Ary Barroso) e "Tudo foi surpresa" (Valzinho e Peterpan). Hermínio Bello de Carvalho gravou uma longa entrevista com a amiga em 1987, quando apresentava um programa semanal na TVE, hoje TV Brasil. Trechos desse raro especial compõem o roteiro e são exibidos durante o espetáculo "Aracy de Almeida - A Rainha dos Parangolés"


SERVIÇO:
Show de Lançamento do CD "Aracy de Almeida - A Rainha dos Parangolés" – Marcos Sacramento e Luiz Flavio Alcofra
Local: SESC Avenida Paulista (Av. Paulista, 119 - Bela Vista - São Paulo)
Dias: 15 e 16 de junho
Horário: 21h
R$20 inteira e R$10 meia
Classificação etária: Livre
Duração: 60min
Venda online a partir de 05/06/2018 12:00
Venda nas unidades a partir de 06/06/2018 17:30


Fonte da imagem: Divulgação


Comentários

Divulgue seu lançamento