Supersônicas

Garotas Suecas na contramão em “Futuro do Pretérito”
por Tárik de Souza

terça, 09 de janeiro de 2018

Compartilhar:

“Se você é homem heterossexual/ que acha que de longe ou perto só você é normal/ se não consegue enxergar seus privilégios/ mesmo tendo freqüentado os melhores colégios/ arrota meritocracia sobre o seu tapete persa/ Não tem conversa! Não tem conversa!” decreta uma das faixas mais agudas do terceiro disco do grupo paulista Garotas Suecas, “Futuro do pretérito” (Freak).

Nenhum texto alternativo automático disponível.

“Todos policiais” também cutuca a ferida: “Olho ao meu redor/ as pessoas sentadas no restaurante/ todas policiais/ eu não fiz nada demais/ nem precisa ter feito/ qualquer deslize é um defeito”. Agora um quarteto, onde todos cantam, tocam e compõe, Fernando Perdido (baixo), Irina Bertolucci (teclados), Nico Paolielo (bateria) e Tomaz Paolielo (guitarra) também circulam por outros assuntos, além da claustrofobia social exacerbada na folk/bluesy “Angola Luisiana” (“das margens do Tietê ou do Mississipi/ as águas correm ao oceano/ as almas são mortas na gaiola/ dia a dia, mês a mês, ano a ano”). A caribenha “Ananás”, exalta a fruta tropical, pontuada pelas descaídas de slide guitar, enquanto “Objeto opaco” descreve alguém refratário à empatia: “um sorriso em sua direção/ sofre imensa força de repulsão”.

Repleto de convidados da cena indie, como o percussionista Matheus Prado (Projeto Coisa Fina), o saxofonista Filipe Nader (Trupe Chá de Boldo, Música de Selvagem), os guitarristas Marcelo Vogelear (Holger) e Marcelo Lemos (Vruumm, Projeto Coisa Fina) e o tecladista Andre Bruni (Mel azul, Cupin), o álbum “Futuro do pretérito” destila coesão instrumental e precisão poética. Do rock balada súplice “O quarto” ao furacão de guitarras “Fera”, e o epitáfio em escalas, “Morrer azul”, o Garotas Suecas investe na estranheza, em sincronia com o nome do grupo, escolado no arrepio da contramão.




Comentários

Divulgue seu lançamento