Supersônicas

Tasso Bangel, a “Alma Farroupilha” da música gaúcha
por Tárik de Souza

terça, 09 de janeiro de 2018

Compartilhar:

Um dos difusores nacionais da música gaúcha para-folclórica, reprocessada pelos ases Barbosa Lessa e Paixão Cortes, seus idealizadores, o conjunto Farroupilha, iniciado em 1948, sucesso inaugural com a mítica “Negrinho do Pastoreio”, tem sua trajetória rebobinada por um de seus fundadores, o maestro, compositor e arranjador Tasso Bangel.

Aos 85 anos, ele subiu no palco do Theatro São Pedro, de Porto Alegre, em maio de 2016, com a Camerata Pampeana, seu projeto mais recente, de 2012, para gravar o DVD “Alma Farroupilha – maestro Tasso Bangel, uma vida musical” (Natura Musical). Empunhando seu acordeon, ao lado de Filipe Karam (violino), Rosângela dos Santos (violino), Gabriela Vilanova (viola), Philip Mayer (violoncelo), Diego Costa (violão), Miguel Tejera (baixo), Tasso lembrou o sucesso do grupo anterior, presença constante nas antigas TVs Tupi e Record, a partir de 1956, “sempre pilchados” (com a vestimenta típica dos gaúchos, a bombacha).

Em 1958, o LP do grupo “Gaúchos em hi-fi” vendeu 700 mil cópias, ironicamente puxadas pelo clássico instantâneo escrito pelo paulista Tito Madi, “Gauchinha bem querer”, reproduzido no show. Ele também reivindica para o grupo a primazia na estréia da clássica bossa “Samba de uma nota só” (Tom Jobim/ Newton Mendonça), mas não menciona o selo criado pelo grupo, Farroupilha, onde foram gravados discos do movimento, incluindo o hoje raríssimo (e caríssimo) “Tema do boneco de palha”, da paulista Vera Brasil, de 1964. Também são deles as vozes do célebre jingle “Varig! Varig! Varig!”, da falecida e saudosa empresa aérea gaucha, em cujas aeronaves percorreram o país e excursionaram pelo exterior. Mas, a despeito dos causos, o repertório do concerto é essencialmente autoral.

Tasso demonstra sua versatilidade em gêneros como “Rasqueado”, “Meu chamamé”, “Modinha do Gaudêncio” (da ópera “Um romance gaúcho”) e três trechos de sua “Fantasia Pampeana”, onde as raízes da terra são permeadas pela erudição do solista. 

Comentários

Divulgue seu lançamento