Henrique Cazes

Tárik de Souza

Jornalista e crítico musical

Supersônicas

A revoada dos mineiros Irene e Leandro

sexta, 19 de maio de 2017

Integrantes do mineiro Coletivo Casazul, a cantautora e flautista Irene Bertachini e o compositor, arranjador e violonista Leandro Cesar unem talentos no CD “Revoada” (Independente), em que assinam a maioria das faixas, com parcerias diversas.

A dupla divide trabalhos há nove anos em vários coletivos e projetos musicais, e, em 2016, gravou o álbum no Centro Cultural Musibéria, em Serpa, Portugal (com adicionais no Rio e em BH).

Participaram do disco, além dos brasileiros Joana Queiroz (clarinete e clarone), Natália Mitre (bateria), Di Souza (percussão) e Saulo Giovanninni (percussão e marimba), o acordeonista belga Tuur Florizone, o baixista português João Fragoso, a pianista e cantora bielorrussa Katerina L’Dokova, o flautista e cantor argentino Diego Cortez.  

No roteiro, da sinuosa “Tacacá com dendê”, onde o encadeamento das palavras pontua o ritmo, às vozes suspensas da instigante “Jogando a peneira no redemoinho pra pescar o diabo”. “Earl Gray” flutua à capella sobre uma semovente engrenagem de ruídos, desenhada pela dupla. Marimba de porcelanato, xilofone, atabaque, caixa clara, chocalho, ganzá e caxixi pavimentam o lento deslizar de “Mar desadentro” (“o rio segue seu curso/ corredeiras além/ a terra segue parada/ na órbita do adeus”).

Duas composições do carioca Thiago Amud adensam ainda mais o enredo, da devocional “Senhora das Sete Dores” (“meu sangue virou vinagre/ a espera de um milagre”) à evocativa “Assobio”, com Brisa Marques (“dei de cara com a morte/ desviei o meu oiá”).

“Revoada” é a revolução dos sentidos, a transformação do estático, a migração do sentir, da saudade à melancolia do amor”, descrevem os solistas. 

Comentários