Henrique Cazes

Tárik de Souza

Jornalista e crítico musical

Supersônicas

Vespas voam do rock ao pop
Lançam "Daqui pro futuro"

quinta, 18 de maio de 2017

As Vespas Mandarinas, que agitaram a sopa do rock nativo com seu álbum de estréia, “Animal nacional”, indicado ao Grammy Latino, de 2013, foram zumbir em outra freguesia.

De banda viraram duo, composto apenas por Thadeu Meneghini (voz e baixo) e Chuck Hipólito (voz e guitarra), e em “Daqui pro futuro” (Deck) trocaram a ferocidade roqueira pelo pop pragmático de letras explícitas e recados diretos.

A faixa título tem participação vocal de Samuel Rosa, do Skank, “Inutensílios” lembra com insistência o sucesso do Barão Vermelho, “Por você”, e “Questão de ordem” pode explicar a guinada: “ De que adianta aprender a lição/ se a história ela gosta/ ela adora/ ela ama uma repetição”.

Em outra clave, “Carranca” concita: “Não vou entregar minha cabeça em uma bandeja/ quero morrer na peleja/ descubra o que você ama/ e deixe que isso te mate” e “Lambe lambe” evoca Caetano Veloso: “Se de perto ninguém é normal/ pra que perder tempo sendo comum?”.

Já, “Só se vive uma vez” provoca: “Porque, eu posso até ter um problema/ mas isso é problema meu/ se isso te incomoda/ então o problema é seu”.

Produzido por Meneghini, Rafael Ramos e Michel Kuaker, gravado nos estúdios Tambor (RJ) e Wah Wah (SP) entre novembro de 2015 e agosto de 2016, o disco tem outras flechadas como “Cada um sabe de si”, “Fingir que não dói” e, principalmente, “E não sobrou ninguém”, com guitarra de Edgar Scandurra sobre poema do russo Vladimir Maiakovski.  

O lançamento de "Daqui pro futuro" no Rio, é amanhã (19) no Circo Voador, na Lapa, onde as Vespas aterrissam pela primeira vez. Mais informações aqui.

Comentários