Tema do Mês

10 novelas com trilhas sonoras inesquecíveis
TEMA DO MÊS de SETEMBRO!

quarta, 02 de setembro de 2020

Compartilhar:

Entre os anos 1960 e 1970, com a ascensão da televisão como um objeto de consumo cada vez mais acessível e popular, não demorou para que os brasileiros escolhessem suas atrações preferidas. De longe, ganharam as telenovelas. 

Herança do rádio e das fotonovelas das revistas, elas conquistaram o coração do povo e se consolidaram como um dos principais produtos da indústria cultural brasileira. Até hoje não existe nenhum país com um amor tão grande pelos folhetins televisionados.

Muitas dessas novelas ganharam trilhas sonoras antológicas, que se tornaram símbolos de uma época ou ajudaram a popularizar determinadas canções. Muitos clássicos da MPB foram criados especialmente para algum personagem ou tema de abertura. Por isso, reunimos aqui 10 novelas que ganharam trilhas sonoras inesquecíveis. Confira logo abaixo a seleção! 

1. Véu de Noiva (1969)

Escrita por Janete Clair, “Véu de Noiva” foi a primeira novela a ganhar uma trilha sonora original, produzida por Nelson Motta. Muitas das canções se tornaram conhecidas até hoje, como “Teletema” (Antônio Adolfo e Tibério Gaspar), “Irene” (Caetano Veloso), “Azimuth” (Marcos Valle e Novelli), dentre muitas outras. 


2. Gabriela (1975)

Baseada no romance “Gabriela, Cravo e Canela”, de Jorge Amado, a adaptação televisiva de George Durst possui uma das trilhas sonoras mais antológicas da teledramaturgia brasileira.

São dez temas originais, compostos especialmente para a trama. Muitos se tornaram clássicos da música brasileira, como “Coração ateu” (de Sueli Costa, interpretada por Maria Bethânia), “Filho da Bahia” (de Walter Queiroz, interpretada por Fafá de Belém), “Caravana” (de Alceu Valença e Geraldo Azevedo) e “Alegre menina” (de Dori Caymmi e Jorge Amado, interpretada por Djavan). 

Isso sem contar, é claro, com “Modinha para Gabriela”, composição de Dorival Caymmi que se tornou um dos maiores clássicos da carreira de Gal Costa, que gravou a canção. Gal se apropriou tanto dos versos (“Eu nasci assim/ Eu cresci assim/ E sou mesmo assim/ Vou ser sempre assim/ Gabriela!”) que Jorge Amado afirmou, anos depois, que todas as suas personagens “têm a voz de Gal”. 


3. Pecado Capital (1975)

Dinheiro na mão é vendaval, é vendaval…”. Os versos iniciais de “Pecado Capital”, samba de Paulinho da Viola, ecoavam todas as noites na abertura da novela homônima de Janete Clair. A música-tema composta por Paulinho casava com uma trama eletrizante que tratava dos dilemas morais que envolviam a sede pela ascensão econômica. 

A trilha contava ainda com outras canções conhecidas, como "Moça" (Wando), "Você Não Passa de uma Mulher" (Martinho da Vila), "Juventude Transviada" (Luiz Melodia) e "Meu Perdão" (Beth Carvalho).


4. Saramandaia (1976)

Inspirada pelo movimento do “realismo mágico”, então muito em voga na literatura latino-americana, Saramandaia foi escrita por Dias Gomes e se utilizava de situações inusitadas (como um homem que botava insetos pelo nariz ou um rapaz que possuía asas) para tecer críticas veladas à ditadura militar. 

Além de uma história sensível que emocionou muita gente, a trama contava com uma trilha sonora impecável que marcou a memória musical brasileira. “Pavão Mysteriozo”, com Ednardo, que tocava na abertura, é a que ficou mais associada à novela e ao seu protagonista, o sonhador João Gibão, interpretado por Juca de Oliveira. A atração contava ainda com “Capim novo” (Luiz Gonzaga), “Pra não morrer de tristeza” (de João Silva e K-Boclinho, interpretada por Ney Matogrosso) e “Chamego” (de Luiz Gonzaga e Miguel Lima, interpretada por Fafá de Belém). 


5. Dancin` Days (1978)

Impossível falar de música e teledramaturgia e não lembrar de “Dancin` Days”. A novela de Gilberto Braga foi um estouro de popularidade ao retratar o fenômeno da música disco que assolava as rádios e pistas de dança da época. O nome, inclusive, era o mesmo da lendária boate fundada por Nelson Motta em 1976, que revelou as Frenéticas e introduziu no Brasil a febre das discotecas. 

As Frenéticas, inclusive, ganharam o maior sucesso da carreira por causa dessa novela. A música da abertura foi composta por Nelson Motta e Ruban e é até hoje um clássico do pop nacional: Abra suas asas/ Solte suas feras/ Caia na gandaia/ Entre nessa festa!

A trilha contava ainda com outras músicas nesse estilo, como “Agora é moda” (Rita Lee) e “Kitche Zona Sul” (Ronaldo Resedá), além de clássicos da MPB como “Copacabana” (com Dick Farney) e “João e Maria” (Chico Buarque). 


6. Vale Tudo (1988)

Muito lembrada pela lendária vilã-mor da teledramaturgia brasileira, Odete Roitman, interpretada por Beatriz Segall, “Vale Tudo” também marcou a música brasileira. A trama escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères tecia uma crítica contundente ao Brasil pós-redemocratização. Nesse sentido, não poderia haver tema melhor para a abertura do que a então recém lançada “Brasil”, de Cazuza, que ganhou versão na voz de Gal Costa: “Brasil, mostra a tua cara/ Quero ver quem paga/ Pra gente ficar assim”. 


7. Tieta (1989)

Baseada no livro “Tieta do Agreste”, de Jorge Amado, a trama escrita por Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e Ana Maria Moretzsohn contava a história de uma mulher libertária que chega a uma ilha paradisíaca, porém conservadora na Bahia no final dos anos 1980.

A música-tema, interpretada por Luiz Caldas, se tornou mania nacional e prenunciou o sucesso do então emergente axé music, representado também por “Meia lua inteira”, música de Carlinhos Brown interpretada por Caetano Veloso. A trilha contava ainda com “Coração do agreste” (de Moacyr Luz e Aldir Blanc, interpretada por Fafá de Belém), e sucessos do sertanejo, gênero que dominava as paradas da época. 


8. Rainha da Sucata (1990)

Assim como “Dancin` Days” levou para as telas o fenômeno da disco music, “Rainha da Sucata”, obra-prima de Silvio de Abreu, retratou a febre da lambada. A abertura mostrava diversos casais dançando ao som de “Me chama que eu vou”, hit de Sidney Magal

A novela inspirou muita gente e encheu as academias de dança que ofereciam cursos de lambada. 


9. Por Amor (1998)

Não tem como falar de músicas de novela sem citar Manoel Carlos. Uma das marcas do autor é a escolha cuidadosa de uma trilha sonora repleta de clássicos da Bossa Nova e da MPB, além de baladas românticas norte-americanas. 

“Por Amor” possui uma das trilhas mais marcantes de sua produção, com “Palpite” (Vanessa Rangel), “Mudança dos ventos” (Ivan Lins e Vitor Martins, cantada por Nana Caymmi), “Só você” (de Vinicius Cantuária, com Fábio Júnior) e “Per amore”, canção italiana que fez sucesso à época com a versão de Zizi Possi. Além, é claro, da abertura com a clássica “Falando de amor” (Tom Jobim) na versão do Quarteto em Cy com o MPB-4


10. Avenida Brasil (2012)

Escrita por João Emanuel Carneiro, “Avenida Brasil” foi um dos maiores fenômenos da história recente da teledramaturgia. Com uma trama centrada nos tipos populares e na Zona Norte carioca, a trilha sonora reuniu diversas canções populares que explodiram à época, como “Amiga da minha mulher” (Seu Jorge), “Humilde residência” (Michel Teló), “Assim você mata o papai” (Sorriso Maroto), “Meu lugar” (Arlindo Cruz), “Correndo atrás de mim” (Aviões do Forró), dentre outras.


Lembrou de mais alguma novela com uma trilha sonora inesquecível? Conta pra gente nos comentários! E aproveite para ouvir a playlist  especial que preparamos com essas e muitas outras canções que marcaram nossa teledramaturgia. 

Texto por: Tito Guedes 

Comentários

Divulgue seu lançamento