Música

A memória musical brasileira no dia das crianças

sábado, 12 de outubro de 2019

Compartilhar:

Um dos grandes poderes da música é ser capaz de tocar a memória afetiva das pessoas. Fazer a gente escutar aquele álbum, aquela melodia e ser logo transportado para algum momento especial do passado. Como outubro é o mês das crianças, o IMMuB resolveu listar alguns trabalhos e artistas que com certeza fazem muita gente voltar imediatamente aos tempos coloridos e alegres da infância. Prepare o lencinho e alimente sua criança interior!

  • Trio Esperança

Os cantores da Jovem Guarda talvez tenham sido pioneiros nas músicas infanto-juvenis modernas. As crianças adoravam as canções estilo “histórias em quadrinho” gravadas por muitos artistas do movimento. Roberto Carlos, por exemplo, sempre incluía em seus discos da época alguma canção voltada para o público infantil, como "O gênio", "Broto do jacaré", "Noite de terror" e "História de um homem mau".

Mas sucesso mesmo entre as crianças fãs da Jovem Guarda era o Trio Esperança, conjunto vocal formado em 1958 pelos irmãos Mário, Regina e Evinha, depois substituída por Marisa. O trio estourou na Jovem Guarda e era sucesso absoluto entre as crianças, com hits irresistíveis como "Filme triste" ("Filme triste/ Que me fez chorar"), "Meu bem lollipop" ("Meu bem lollipop/ Eu hoje amanheci triste"), "O passo do elefantinho" ("Quando ele nasce já é forte/ Mesmo grande é tão engraçadinho"e, claro, "Festa do Bolinha". Essa última foi composta por Roberto e Erasmo Carlos e lançada pelo grupo em 1965, tornando-se um clássico do cancioneiro infanto-juvenil nacional.

  • Os Trapalhões

O grupo de humor brasileiro formado por Renato Aragão, Dedé Santana, Mussum e Zacarias, que fez história na TV e no cinema brasileiro, também tem seu espaço em nossa memória musical. A trilha sonora de seus filmes (sempre êxitos de bilheteria) fazia muito sucesso entre as crianças, que gostavam de cantar músicas como "Rapaz alegre" ("Ai que loucura a vida do machão/ Ai que loucura, mudei de opinião") e "Procurei Tereza" ("Procurei por todo lado/ Não achei Tereza não"). Luxo dos luxos, o grupo contou até com participação de Chico Buarque na trilha do filme Os Saltimbancos Trapalhões, de 1981. A música "Piruetas", cantada por Chico e Os Trapalhões, virou sucesso instantâneo e é lembrada até hoje. Não há quem não saiba cantar essa melodia lúdica e contagiante, que tem tudo a ver com a infância!


  • Chico Buarque

Chico, aliás, sabe como ninguém criar músicas que caem no gosto das crianças. "João e Maria", por exemplo, um clássico de seu repertório, fez sucesso entre adultos e crianças com uma letra que aborda o mundo lúdico e fantasioso da infância. A canção foi lançada por Nara Leão (em dueto com Chico) em 1977, no seu disco Os Meus Amigos São Um Barato. Data desse mesmo ano, inclusive, a histórica montagem da peça infantil Os Saltimbancos, com trilha adaptada por Chico Buarque. Dessa peça, fez sucesso, também na voz de Nara Leão, "A história de uma gata" ("Nós, gatos, já nascemos pobres/ Porém, já nascemos livres!") que em 2002 ganhou nova gravação de Vanessa da Mata.

Outra que virou hino para muitas crianças foi "Ciranda da bailarina" ("Procurando bem/ Todo mundo tem pereba/ Só a bailarina que não tem"), composta por Chico e Edu Lobo para o espetáculo O Grande Circo Místico em 1983, uma divertida homenagem às meninas que sonham em se tornar bailarinas. A música foi registrada no disco da peça cantada por um coro infantil, e foi revivida anos mais tarde por Adriana Calcanhotto.

  • Toquinho

Músico e compositor excepcional, Toquinho tem uma verve infanto-juvenil de tirar o chapéu. Dentro desse repertório, pelo menos duas músicas acabaram se tornando clássicos do cancioneiro nacional falando de forma tocante sobre os encantos da infância e as dores e delícias de se despedir de um momento tão importante das nossas vidas. Estamos falando de "Aquarela", considerada por muitos o hino não oficial da infância, e "O caderno" ("Sou eu que vou seguir você, do primeiro rabisco/ Até o be-a-bá"), que emociona muita gente até hoje!

Esse lado de seu repertório foi registrado em diversos álbuns com essa temática, como, por exemplo, Canção de todas as crianças, de 1987. 


  •  Vinicius de Moraes

Um dos maiores poetas brasileiros, Vinicius de Moraes criou diversas joias para o público infantil. Grande parte dessa obra foi reunida no disco póstumo A Arca de Noé, de 1980, que conta com poemas infantis de Vinicius musicados pelos parceiros Paulo Soledade e Toquinho. O disco foi arranjado pelo maestro Rogério Duprat e contou com a participação de grandes nomes da MPB, como Ney Matogrosso, Elis Regina e Milton Nascimento. Muitas músicas desse disco viraram temas obrigatórios da infância, como "O pato" ("Lá vem o pato/ pata aqui, pata acolá") e "A casa" ("Era uma casa muito engraçada/ Não tinha teto, não tinha nada").


  •  Adriana Partimpim

Quem foi criança nos anos 2000 com certeza teve como trilha sonora a voz de Adriana Calcanhotto. Não só por sucessos como "Vambora" ou "Esquadros", mas por seu projeto musical infantil. Lançado em 2004, o álbum Adriana Partimpim trazia a cantora vestindo a pele de uma personagem lúdica e divertida, que dava voz a diversas canções voltadas para o mundo infantil. O sucesso de "Fico assim sem você" transformou o disco em um de seus projetos mais bem sucedidos, rendendo à cantora um disco de ouro pelas mais de 100 mil cópias vendidas.

Entre um álbum e outro de Adriana Calcahotto, a Partimpim voltou a dar as caras com o lançamento de mais dois trabalhos infantis, o Partimpim Dois em 2009, e o Partimpim Tlês em 2012.


  •  Pato Fu

Outro nome da MPB a se enveredar em projetos infantis foi a banda Pato Fu, que lançou em 2010 o álbum Música de brinquedo, no qual regravou músicas de gente como Rita Lee, Elvis Presley e Zé Ramalho utilizando apenas instrumentos de brinquedo, como cornetas de plástico, xilofones, cavaquinhos, flauta doce, kazoo e glockenspiel. O resultado foi um trabalho que agradou igualmente crianças e adultos.

Tanto que em 2017 a banda lançou o Música de brinquedo 2, seguindo a mesma proposta do primeiro volume, dessa vez misturando o repertório de Ricky Martin, Genival Lacerda e até Jane & Herondy.


  •  Xuxa

É impossível falar de música para crianças sem citar o nome de Xuxa. Em sua época, talvez desde a Jovem Guarda não se visse um artista fazer tanto sucesso e ganhar tanta repercussão entre o público infantil. Paralelamente ao seu programa de TV, Xuxa lançou mais de 30 álbuns de estúdio. O segundo deles, Xou da Xuxa, de 1986, além da capa antológica, entrou para a história como um dos discos mais vendidos da história da música popular brasileira.

Fato é que o repertório de Xuxa é muito relevante até hoje. Sucessos como "Cinco patinhos" ("Cinco patinhos foram passear..."), "Soco, bate, vira" e "Lua de Cristal" tornaram-se clássicos das festas infantis no país inteiro. Ah, e nos karaokês de jovens também! 

  •  Os conjuntos musicais infantis na década de 1980

A década de 1980 foi certamente o auge da música infanto-juvenil brasileira. Junto com Xuxa, surgiram diversos conjuntos infantis, que foram grande sucesso de vendas, com músicas conhecidas até hoje.

A Turma do Balão Mágico, por exemplo, vendeu mais de 10 milhões de discos, deu origem a um programa na Rede Globo e é lembrada até hoje por músicas como "Amigos do peito" ("Somos amigos/ Amigos do peito/ Amigos de uma vez"), "Ursinho Pimpão" ("Vem meu ursinho querido/ Meu companheirinho""Superfantástico" .

Além deles, fizeram sucesso na mesma época Os Abelhudos, revelados no Festival dos Festivais da Rede Globo de 1985 com a música "O dono da Terra" , e Trem da Alegria, grupo criado por Michael Sullivan, que também animou a infância de muita gente com hits como "Uni Duni Tê" e "O Lobisomem".


 Poderíamos citar diversos outros nomes de artistas que fizeram sucesso cantando para o público infantil, como Eliana, Angélica, Mara Maravilha, ou até Raul Seixas ("O carimbador maluco") e Gilberto Gil ("Sítio do Pica-Pau Amarelo"), além das músicas que não foram feitas especialmente para as crianças, mas que fazem parte da nossa memória afetiva e têm o poder de nos encher de nostalgia e nos transportar de volta à infância.

Deixe nos comentários as músicas que te fazem voltar aos tempos de criança!


Texto por: Tito Guedes

Comentários

Divulgue seu lançamento