Dicas do Aquiles

A prosa musical do cantador historiador

terça, 02 de julho de 2024

Compartilhar:

Em março deste ano eu recebi uma mensagem do poeta, músico e artista plástico Marcos Quinan, na qual me pedia para escrever algo sobre o livro que ele estava lançando. Sim, claro! Para tanto, dei-me à leitura. As palavras soavam como música aos meus ouvidos.

Ei-las: a alegoria do livro Anabel, Brás Teodoro e o Povo do Belo Monte, do Quinan, me pegou pela mão e sumiu comigo. Me perdeu. Me levou e me deixou. Fiquei! Nada ali é de soslaio, tudo é de frente, forte. Por vezes, a leitura me remetia a Guimarães Rosa e João Cabral. Tão uno, tão indivisível, Quinan revelava-se plural. 

E não é que ele e seus personagens, em pleno arrebatamento de serem alter-ego do autor de carne e osso, mostraram-se apaixonados entre si e pela história de Antonio Conselheiro, em sua epopeia em Belo Monte?

Movido a personagens vívidos, feito os vaqueiros Beleléu e Mariano, mais Bendengó, Pajeú, Zé do Tucano, Caluta, Da Luz, Pichim, Dalfredo, Cabeção, os soldados da Guarda Católica, Carmela, a irmã de Sinício, Simeão de Caieira e a jovem Dolores (a que se deitava, sem sentir prazer, com escravos libertos, vaqueiros, meeiros, tropeiros e todos que vinham em busca de seu corpo). A essa altura, me via como Quinan, delirante.

E ele se atirou à minha frente, instigante, misterioso, a me puxar para dentro de um mundo que é dele, mas agora é meu, é do Brasil de todas as gentes, de todos os credos, de todas as raças, cores e gêneros. Do Brasil que temos em mente, igualitário, generoso, mestiço e que haverá de, enfim, nos redimir.

Ao final do livro, talvez para não dar chance a mal-entendidos, Quinan imprimiu várias de suas telas e inúmeros outros poemas seus. E assim, pintando e poetando, deu cara ao que pensou e nos evidenciou, transpondo as fronteiras da literatura.

Fatos existidos, revividos, postos a prumo. Deles Marcos Quinan se valeu em sua ida ao passado que conhece há tempos e ansiava trazer a lume, para o futuro que carrega entranhado em si, como a poeira do sertão que o agasalha até os ossos. 

Amor pela história, em meio a pesadelos e sonhos extraordinários, eis um cantador historiador brasileiro, lídimo restaurador de fragmentos que traz grudados à memória, mantendo-os íntegros.

Aquiles Rique Reis

Nossos protetores nunca desistem de nós.


PS. Conversando com o compositor Celso Viáfora, ele disse que musicou uma das poesias do livro e gentilmente me autorizou a incluir aqui o link da gravação caseira de “Salguem os Punhais”(Viáfora e Marcos Quinan). E outra música que consta da obra: “Vaza-Barris” (Marcos Quinan).



Voz e violão: Celso Viáfora.



Voz: Nilson Chaves; arranjo e violão: Eudes Fraga; sanfona: Severo; moringa/ovinho: Marcos Zamma.


Comentários

Divulgue seu lançamento