Música

Alexandre Nero lança quarto álbum solo e retoma a carreira como cantor e compositor

sexta, 22 de abril de 2022

Compartilhar:

Começa no sertão profundo do Cariri, ganha forma no espaço de um quarto no Rio de Janeiro e contornos finais na Rússia. Essas imagens desenham a rota percorrida e a atmosfera proposta pelo novo álbum de Alexandre Nero, "Quarto, Suítes, Alguns Cômodos e Outros Nem Tanto" (Selo Risco).

"Quarto, Suítes, Alguns Cômodos e Outros Nem Tanto", mira o olhar no intimismo, na simplicidade de cantar e tocar violão dentro de casa, onde vida familiar, confinamento e interferências externas pavimentaram um imaginário lúdico, poético e provocador para o álbum. O de número 4 na discografia solo do artista, gerado no espaço de um quarto. Uma suíte que tanto pode ser o ambiente de uma casa, quanto uma música leve, cômoda, que acalanta, mas que também incomoda, questionadora dos tempos que vivemos.

A construção desse universo sonoro começa em 2018, em meio à solidão e ao isolamento impostos por um longo período no sertão nordestino, durante as gravações de um trabalho. A mesma solidão promoveu o reencontro de Nero com a composição. Ali nasceram “Lajedo do Sertão” e o início da canção “Beleza na Tristeza”, que lhe trouxe de volta a vontade de gravar um álbum, com 100% de músicas autorais.

>>> Ouça agora <<<

Mas, para seguir adiante, era preciso dar alguns passos para trás. Recuar antes de mover as peças do tabuleiro. Ficar algumas rodadas sem jogar. Revisitar memórias e lugares esquecidos.

Num tempo em que correr e olhar apenas para frente é palavra de ordem, Alexandre Nero foi na contramão: escolheu caminhar, e lentamente. Observar todos os ângulos, olhar especialmente para trás, não como quem remói o passado, mas como quem rega as suas raízes. Serenidade é a palavra que conduz uma canção à outra. Um recorte específico de tempo percorrido, como quem deixa e se orgulha das pegadas impressas na areia. Maturidade, depressão, pais, filhos, celebridades, religião, política e, por fim, como não poderia deixar de ser, a pandemia.

O ouvinte é convidado a entrar nesse universo e contemplar esse estado atmosférico, sem pressa. Como assistir a um filme em uma sala de cinema, sem contar o tempo que passa lá fora. Juntos, Alexandre Nero e Antônio Saraiva - produtor, músico e parceiro de Nero - construíram um disco que embaralha convenções e derruba estereótipos. A calmaria e os longos silêncios que trespassam o álbum não fazem do projeto um conjunto de canções tristes, melancólicas ou desesperançadas.

Foto de Priscila Prade

Os primeiros versos de "Meu Bloco Taí" fornecem boas pistas; “Não me leve a mal foi em pleno carnaval cantando músicas tristes que me vi feliz”. 

Em "Em Guerra de Cegos", vai além: “Em tempos de guerra, vento pra dançar. Em tempos de fúria, criança pra brincar. Oxalá, assim será. Em tempos de chaga, amigos pra poder curar”.

Em "Bola de Fogo", “Parece que tudo ficou sem chão. Mas não. O barro pra reconstruir a massa crua pra de novo assar. Incendiar”.

Em "A Partícula" (que também está gravada numa versão em espanhol), Nero assume seu fascínio com os filhos. "A partícula. Uma, em particular. Dois, querendo ser bem mais do que a vida traz".

E assim, faixa após faixa, o ouvinte vai desenrolando o fio da meada que propõe na poesia, bordada às melodias e arranjos, a convicção de que onde há dor, também há beleza. E que falar sobre questões difíceis já é estar um passo à frente delas, é vislumbrar caminhos.

As participações especiais reforçam essas sensações. Influência clara na formação musical de Alexandre Nero, Milton Nascimento surge, ele próprio a voz síntese da serenidade, como convidado na já citada "Em Guerra de Cegos". Em "Miseráveis", Elza Soares, a pessoa monumento, dá voz aos "manos, minas, monas, Macunaímas, Pixotes e mascates”.

O álbum traz ainda uma parceria inédita com o compositor Aldir Blanc, que já vinha se desenhando há algum tempo. A convite do curitibano, Aldir enviou um texto para Nero musicar. A canção Virulência, que ouvimos no álbum, é assinada por Blanc, Nero e Saraiva, uma construção coletiva que manteve intactas as digitais de Aldir em versos cortantes: "Que falta me faz meus pais. Que falta nos faz a paz. Que falta nos faz um país. Na falta de ar, um governo deserto."

Paradoxalmente, a mesma pandemia que alterou os planos iniciais de promover grandes encontros, encurtou as distâncias entre o Rio de Janeiro e São Petersburgo, onde foram gravados todos arranjos de cordas do álbum, pela St. Petersburg Studio Orchestra. E voltamos à fábula inicial: da solidão de um quartinho para o lado de fora. Como completa a parceria feita com Aldir, "Atine um mar que se ajuste ao teto.  Stradivárius virão. Passarinhos no verão.  É preciso inventar um lado de fora".  Do microcosmos para a imensidade das canções.


Repertório:
Virulência (Aldir Blanc/Alexandre Nero/ Antônio Saraiva)
Meu bloco taí (Alexandre Nero/L.F.Leprevost/Adriano Petermann/Gilson Fukushima)
Beleza na tristeza (Alexandre Nero/ L.F.Leprevost)
Em guerra de cego (Alexandre Nero/Fabio Freire)
Participação: Milton Nascimento
Bola de fogo (Alexandre Nero/Fabio Freire)
A Partícula (Alexandre Nero/João Cavalcanti)
Lajedo do sertão (Alexandre Nero)
Mata (Alexandre Nero/Antônio Saraiva)
Nossa Senhora de Copacabana (Alexandre Nero/L.F.Leprevost)
Miseráveis (Alexandre Nero/Fabio Freire)
Participação: Elza Soares
Sem Mais (Alexandre Nero)


Encaminhado por: Assessoria Selo Risco/Belinha Almendra - Coringa Comunicação



Comentários

Divulgue seu lançamento