Música

Bossa Nova: Os Compositores, os Intérpretes, os Trios e os Conjuntos
Capítulo 6 da série especial BOSSA NOVA

sábado, 22 de setembro de 2018

Compartilhar:

OS COMPOSITORES

Tom Jobim continuou a sua obra nos oferecendo vários sucessos. Seguiram seus passos Carlos Lyra com letras de Ronaldo Bôscoli e Vinicius; Roberto Menescal com Bôscoli; Oscar Castro Neves com Luvercy Fiorini; Marcos Valle com seu irmão Paulo Sérgio; Sérgio Ricardo com ele mesmo; Baden Powell também com Vinicius; Edu Lobo idem Vinicius e Torquato, Francis Hime e Ruy Guerra; Durval Ferreira, etc.

Dois desses compositores dirigiram a Bossa Nova para outros caminhos; Edu Lobo que usou raízes folclóricas para as suas composições e Baden Powell que foi influenciado pelas nossas raízes africanas.

OS INTÉRPRETES

Uns nasceram com a Bossa Nova, outros simplesmente continuaram suas carreiras se adaptando perfeitamente ao novo estilo.

João Gilberto foi, e ainda é, o mais característico de seus intérpretes. Foi sempre o mais comentado e o mais imitado. A princípio, o público custou um pouco a entendê-lo depois, aos poucos, se habituou com sua maneira de cantar.

Sylvia Telles, lançada com “Amendoim Torradinho” passou a ser uma das maiores intérpretes das músicas de Tom Jobim, principalmente no LP “Amor de Gente Moça”, que se tornou um disco antológico.

Maysa, em São Paulo, que cantava seu próprio estilo, com sua voz inconfundível.

Os compositores passaram a interpretar suas próprias músicas como nos casos de Carlos Lyra, Edu Lobo, Sérgio Ricardo, e o próprio Vinicius, que começou a cantar também.

Nara Leão já era a ”musa”, antes de cantar. Alaíde Costa, Claudette Soares, Leny Andrade e depois, aquela moça de porto alegre, Elis Regina.

Astrud Gilberto que se tornou internacionalmente conhecida por um acaso durante a gravação de João Gilberto com Stan Getz de “Garota de Ipanema”, foi chamada dentro do estúdio para fazer um “chorus” em inglês.

Lennie Dalle que havia sido contratado por Carlos Machado como bailarino, ingressou nas fileiras de bossa nova como cantor, dando uma impressão corporal à interpretação da Bossa Nova, e criando passos de uma dança, que nunca se tornou popular.

Agostinho dos Santos, em São Paulo, que criou um estilo todo pessoal.

E, por que não incluir Frank Sinatra na nossa lista?

OS TRIOS

Uma avalanche de trios, a Bossa Nova produziu na época.

O Tamba Trio, o mais famoso composto de Luís Eça, Bebeto e Hélcio Milito.

O Zimbo Trio em São Paulo, com Hamilton Godoy, Rubinho e Luís Chaves.

O Sambalanço, comandado por César Mariano.

O Bossa Três, com Luís Carlos Vinhas, Tião Neto e Edison Machado.

OS CONJUNTOS

A Bossa Nova promoveu também, uma série de conjuntos.

Roberto Menescal, o compositor, era o dirigente de um dos mais destacados, que contava com elementos como Eumir Deodato, Oscar Castro Neves, Ugo Marotta e outros.

Walter Wanderley, em São Paulo, que acompanhou João Gilberto em um de seus Lps.

Sérgio Mendes e seu “Bossa Rio”.

O conjunto de Oscar Castro Neves e seus irmãos.

Conjuntos vocais que foram produtos da Bossa Nova: Os Cariocas, o Quarteto em Cy e o MPB-4.

Um conjunto instrumental notável, que infelizmente só existiu em disco, foi “Os Gatos”, de Durval Ferreira.

ALOYSIO DE OLIVEIRA


Nota: "Este depoimento sobre 'Bossa-Nova' não tem nenhuma intensão de ser nformativo didático sobre o assunto. Ele é somente um panorama visto com os meus olhos, contendo fatos vividos por mim e observações exclusivamente minhas. Se fosse feito por outra pessoa que também viveu o assunto, esta poderia citar outros fatos e descrever outros momentos também importantes. Portanto, se alguma coisa aqui deixar de ser mencionada é porque não recorri a informações de outras fontes, e sim, baseei-me somente nas experiências em que tomei parte, nesta fase da música brasileira que foi uma das mais importantes de sua história." Aloysio de Oliveira

Fonte do texto: extraído do CD box "Bossa Nova, sua história, sua gente" nas palavras de Aloysio de Oliveira.



Este é o sexto de 7 artigos, contados pelo olhar de Aloysio de Oliveira, sobre a história e os artistas que contribuíram na construção e divulgação de um movimento importante da música popular brasileira no final dos anos 50: a Bossa Nova. No próximo e último capítulo, o tema abordado será a exportação desse novo jeito de fazer música brasileira que concretizou esse gênero musical internacionalmente, tornando-o referência. Enquanto isso, não deixe de conferir e saber mais sobre o tópico citado acima!


Clique nos links abaixo e se surpreenda com esta série especial:

Capítulo 1 - Bossa Nova: Antes, uma conversa necessária 

Capítulo 2 - Bossa Nova: O Ritmo, a Melodia, a Letra 

Capítulo 3 - Bossa Nova: A Interpretação, a Harmonia e as Influências 

Capítulo 4 - Bossa Nova: O Princípio da Evolução ou Fase Pré-Bossa Nova 

Capítulo 5 - Bossa Nova: Chegava eu no Rio depois de 18 anos de ausência

Capítulo 6 - Bossa Nova: Os Compositores, os Intérpretes, os Trios e os Conjuntos (lendo agora)

Capítulo 7 - Bossa Nova: A Exportação (em breve)


Comentários

Divulgue seu lançamento