Música

Caramelows celebra a diversidade em single com cantora moçambicana Selma Uamusse

terça, 06 de outubro de 2020

Compartilhar:

Um grupo paulista, uma cantora de Moçambique, uma homenagem ao pagode baiano e uma gravação em Lisboa. Foi a partir dessas conexões que surgiu “Pote de Cores”, novo single dos Caramelows que conta com a participação da cantora Selma Uamusse. A faixa ganha um vídeo igualmente colorido e já está disponível nas principais plataformas de streaming.


Uma potente celebração da diversidade, as cores desse pote são múltiplas. Para dar vida à ideia da música, Caramelows trabalha novamente com a artista Laura do Lago, que assinou também seu recente clipe para “Siente el calor”, mais uma colaboração internacional - com a rapper espanhola Indee. A ideia para o novo vídeo partiu da vontade de contar a história do mundo sob o olhar feminino, em que o pote é também representado pelo útero. As imagens se unem e as cores se fundem, representando a multiplicidade de seres em seu caminho para a iluminação. A animação foi feita por Raíssa Laban.

Após se conhecerem em Portugal, a conexão sonora imediata dos Caramelows com Selma Uamusse se estreitou graças a um lineup compartilhado - tanto o grupo quanto a artista participavam do Festival Crespo em São Paulo. Eles, que acompanhavam Liniker nos palcos deste e outros eventos de world music pelo Brasil e internacionalmente (como Primavera Sound, WOMAD, WOMEX e outros), já se interessavam por sonoridades de África, América Latina e do oriente. A sintonia foi imediata, mas a realização dessa parceria precisou de uma conexão intercontinental.

Foto: Divulgação

O grupo instrumental enviou um esboço do arranjo para “Pote de Cores” a Selma. Sobre a homenagem ao “samba duro”, o pagode baiano, ela criou a letra. A oportunidade de ensaiarem juntos aconteceu uma única vez, em São Paulo. 

“A musicalidade moçambicana veio densa e dramática (ainda que otimista) através das palavras cantadas por Selma. A gravação em si foi realizada à distância: os Caramelows gravaram a base instrumental em Araraquara e Selma gravou em Portugal, no estúdio Nascer do Som, na cidade de Lisboa”, lembra o baterista Péricles Zuanon

Além dele, fazem parte da banda Eder Araújo (sax e flauta), Renata Éssis (vocais), Marja Lenski (percussão), Fernando “TRZ” Falcoski (teclas), Rafael Barone (baixo) e Wiliam Zaharanszki (guitarra). Os Caramelows têm em sua discografia o EP “Cru” (2015) e os discos “Remonta” (2016) e “Goela Abaixo” (2019) como Liniker e os Caramelows - este último, indicado ao Grammy Latino - e um EP homônimo solo, explorando sons da música latina, ritmos regionais brasileiros e world music