Música

DISCO 2: CONVITE À MÚSICA – MARISA COM MOACYR SILVA E SEU CONJUNTO

quinta, 24 de maio de 2018

Compartilhar:

Há 15 dias nós iniciamos a celebração dos 100 anos de Moacyr Silva, revivendo a história do LP CONVITE À MÚSICA Nº 1. Se você ainda não viu, vale a pena conferir (clique aqui). Dando sequência agora ao banquete do sax sensacional e bons predicados musicais, apresentamos o LP CONVITE À MÚSICA Nº 2 que também conta com a presença de Marisa Gata Mansa, lançado em 1958, pela gravadora Copacabana. Confira o texto abaixo:

O saxofone-tenor, embora há muitos anos usado em orquestras de dança, nos chamados naipes instrumentais, somente adquiriu nobreza de solista quando Coleman Hawkins gravou os primeiros discos como principal figura, a partir de 1933, com The Day you came along. Criando uma verdadeira escola, pode-se dizer que o grande músico influiu sobre o estilo de todos os outros saxofonistas, principalmente depois que gravou, em 11 de outubro de 1939 o seu famoso disco Body and soul, peça predileta, ainda hoje, de todos os especialistas no instru-instrumento.

É possível que o nosso excelente sax-tenor Moacyr Silva sorria, lendo as palavras que acabamos de escrever, negando mesmo um conhecimento mais íntimo com o seu colega norte-americano. Diremos, então, que, se não tomou contato direto com Hawkins, conheceu certamente os seus discípulos mais próximos, Don Byas ou Herschel Evans. O que dissemos não é uma afirmação de que o músico patrício imite este ou aquele colega americano. Mas, na verdade, seria impossível tocar como Moacyr se antes não existissem os instrumentistas citados. Na arte, como na natureza, não há saltos.

Quando conhecemos Moacyr Silva, tocando na antiga “boite” Vogue, embora já fosse um músico dos mais competentes, estava longe de possuir o apuro técnico e o gosto artístico atual, seu vibrato ainda não possuía as características de hoje, quando domina integralmente o instrumento.

Por um desses milagres que acontecem em nosso meio, Moacyr consegue tocar tão bem peças das chamadas de jazz como os choros e sambas característicos brasileiros. Formando um conjunto excelente, em que se destacam o pianista Chaim Levack, o pistonista Maurílio Santos, o trombonista Edmundo Maciel, o contrabaixista Raul Gagliardi e o baterista Hanestaldo Américo, o nosso saxofonista logo se celebrizou e é hoje um dos mais requisitados chefes de orquestra, tocando atualmente no Copacabana Palace.

Encontrando uma lady-crooner ideal para o seu conjunto de danças, a jovem e talentosa Marisa, brasileira que sabe interpretar tão bem um slow-fox como um samba-canção ou outro qualquer gênero brasileiro, mais ainda aumentou o prestígio da música de Moacyr e desse conjunto que é hoje considerado por todos como um dos melhores em seu gênero. Marisa, de voz deliciosa, tendo personalíssima maneira de cantar, é um precioso “achado”, não só para o seu conjunto como para o disco brasileiro.

O primeiro álbum reunindo a graça e a mocidade de Marisa ao talento e experiência de Moacyr Silva, o primeiro CONVITE À MÚSICA, teve uma tão entusiástica recepção por parte dos discófilos que a Copacabana, apenas alguns meses depois, lança este segundo, com as mesmas características e apresentando um punhado de belas melodias, tanto nacionais como norte-americanas que, estamos certos, ainda mais aumentará o prestígio da cantora Marisa e de Moacyr Silva e Seu Conjunto.

Escolhendo números assinados por eminentes especialistas, vamos encontrar neste “long-playing” peças que farão o encanto de todos, como Castigo, Quero-te assim, Se alguém telefonar, Chega de saudade, Onde estará meu amor?, Mistura fina e outras mais, todas igualmente encantadoras.

CONVITE À MÚSICA, n.° 2, vai despertar um interesse talvez maior ainda que o anterior e vai grangear novos e ardentes admiradores para a arte de Marisa e de Moacyr Silva.

Lúcio Rangel

 

ESTE DISCO EM LONGA DURAÇÃO (33,1/3 R.P.M.) FOI GRAVADO E FABRICADO NO BRASIL PELA SOM, INDÚSTRIA E COMÉRCIO S.A. AV. RIO BRANCO, 25 – 13.° ANDAR - RIO


FACE A

1 – CHEGA DE SAUDADE - Samba (Antonio Carlos Jobim Vinicius de Moraes) Com MARISA

2 – ARRASTA PÉ - Maxixe (Maurilio Santos)

3 – ASSIM - Toada (Clovis Santos) Com MARISA

4 – ALL THE WAY - Fox (James Van HeusenSammy Cahn)

5 – QUERO-TE ASSIM - Valsa (Tito Madi) Com MARISA

6 – MISTURA FINA - Samba (Luiz Bandeira)

7 – ONDE ESTARÁ MEU AMOR? – Samba-Canção (Lina Pesce) Com MARISA


FACE B

1 – VOCÊ PASSOU - Samba (Nazareno de BritoAlcyr Pires Vermelho)

2 – CASTIGO – Samba-Canção (Dolores Duran) Com MARISA

3 – STELLA BY STARLIGHT - Fox (Ned WashingtonVictor Young)

4 – ME SEGURA - Maxixe (Luiz Bandeira) Com MARISA

5 – SE ALGUÉM TELEFONAR – Samba-Canção (Alcyr Pires Vermelho – Jair Amorim)

6 – ...E NADA MAIS – Samba-Canção (Cesar SiqueiraMaria Rita) Com MARISA


O que se produziu, no Brasil, em termos musicais na década de Moacyr Silva ficou marcado como a autêntica música popular brasileira, tocavam a poesia para a alma, estando presente nas letras sentimentos profundos e também melancólicos. Foi na década de 50 que tivemos o aparecimento de estilos que mudariam para sempre o rumo da música e de artistas e bandas que fariam história. A efervescente Era do Rádio brasileira revelou inesquecíveis talentos da música que nos deixaram um precioso legado artístico e cultural. É comum pessoas mais velhas dizerem que “os jovens de hoje em dia não ouvem mais música boa”, sendo que os pais delas diziam o mesmo. Vamos celebrar a boa música nacional, tão rica em diversidade e que muitas pessoas ainda precisam conhecer!


Comentários

Divulgue seu lançamento