Jogada de Música

Fla e Timão, os Mais Populares também na Música

sexta, 10 de maio de 2019

Compartilhar:

A relação dos grandes clubes brasileiros com a música não se resume aos seus hinos, nem aos cânticos de suas apaixonadas torcidas. Flamengo e Corinthians, por exemplo, os dois mais populares do país, têm também uma relação imensa de músicas a seus grandes feitos e ídolos compostas e gravadas por grandes artistas da MPB. E como os dois este ano foram campeões carioca e paulista, respectivamente, esta é uma ótima oportunidade para apresentar algumas composições de grande beleza ou destaque feita em homenagem a essas duas paixões nacionais.

Em 1983, último ano do período de maior glória para o Rubro-Negro da Gávea, iniciado cinco anos antes, Luiz Ayrão gravou uma daquelas melodias que ficam na memória para sempre. Com um refrão parodiando “Cidade Maravilhosa”, hino do Rio de Janeiro composto por André Filho, o flamenguista Ayrão canta a plenos pulmões seu “Flamengo Maravilhoso”. Esta é uma daquelas que se a Magnética, como Jorge Benjor define a torcida rubro-negra, cantasse em uníssono nas arquibancadas deixaria arrepiado até mesmo o mais gélido dos seus torcedores (e existe algum frio torcedor do Flamengo?). 

Outro grande flamenguista, João Nogueira, pai do Diogo, também se destaca neste campo. Em 1979, trocou Rubens, Dequinha e Pavão por Zico, Adílio e Adão no refrão do “Samba Rubro-Negro”, de Wilson Batista e Jorge de Castro, composto no início dos anos 50, e o escalou para fechar muito bem o seu belíssimo e histórico LP “Clube do Samba”.

Quanto ao Corinthians pode se dizer praticamente o mesmo sobre o tema paixão, afinal sua fiel torcida tem seu time como uma religião. E belas composições não faltam. Uma delas curiosamente foi feita por Jorge Benjor e gravada por Wilson Simonal, ambos flamenguistas, em solidariedade ao sofrimento corintiano pelo maior jejum de títulos de sua História, de 1955 a 76. Pois “Homenagem Rubro-Negra (Joga Corinthians)” abria o LP “A vida é só pra cantar” que Wilson Simonal lançou exatamente no ano do fim da agonia corintiana, em 1977.

Com participação do locutor Osmar Santos e do ídolo Sócrates, Toquinho, apaixonado corintiano, gravou no seu importantíssimo álbum “Aquarela”, de 1983, a marcha de sua autoria “Corinthians do meu coração”.



Há uma quantidade gigantesca de músicas sobre estes dois grandes clubes com grandes artistas como Adoniran Barbosa, Altamiro Carrilho, Moraes Moreira, Carlinhos Vergueiro, Jackson do Pandeiro e até Silvio Santos. E muitos outros. Mas, por enquanto, vamos ficar com essas músicas acima só para dar uma pequena ideia da grandeza de Flamengo e Corinthians.

Antes de finalizar esta coluna, gostaria de lembrar a botafoguense Beth Carvalho, falecida no último dia 30 de abril. Em algum momento ela voltará aqui com as músicas em que cantou para o seu clube do coração. A Madrinha do Samba merece todas as nossas homenagens.


Comentários

Divulgue seu lançamento