Música

"Sempre”, novo álbum de Marcos Valle revisita e atualiza sua fase boogie

quinta, 12 de setembro de 2019

Compartilhar:

Marcos Valle retorna em grande estilo em “Sempre”, seu novo álbum que dialoga abertamente com a cultuada fase boogie da discografia do artista. Sem tirar o olho do futuro, o disco é um testemunho da contínua busca por desenvolvimento e reinvenção que definiu a carreira de Valle ao longo das décadas. “Sempre” já está disponível nas plataformas de música digital.

O trabalho mistura disco, sambaião e o jazz-funk de fim de noite, essência de músicas como “Estrelar” (1983) e “Bicicleta” (1984). As letras trazem o espírito progressivo dos seus álbuns do início dos anos 70. Elas falam de temas universais, do amor, da tolerância, da vivência do presente, mas também fazem uma crítica irônica à corrupção.


“Sempre” foi antecipado pelos singles “Alma”, que indicou sua volta à fase boogie, com uma letra que fala de um grande amor surgido a partir de um encontro casual, e “Olha Quem Tá Chegando”, que abre o disco e traz uma crítica irônica à política nacional, característica que sempre esteve presente no trabalho de Valle

Com mais de 5 décadas de carreira, Marcos Valle começou sua carreira nos anos 60, como um dos compositores da chamada segunda geração da Bossa Nova. Ele compôs o mundialmente famoso “Samba de Verão (Summer Samba - ou - So Nice)” para o seu segundo álbum “O Compositor E O Cantor”. A canção fez história ao entrar no Guinness Book of Records como a única faixa a ocupar o Top 40 da Billboard com três versões diferentes ao mesmo tempo, incluindo uma interpretação de Johnny Mathis.

Após um breve período nos Estados Unidos, Valle retornou ao Brasil e no início dos anos 70 lançou quatro álbuns que incorporaram rock progressivo, influências psicodélicas, pop, jazz, soul e arranjos cinematográficos. Esses álbuns traziam Marcos Valle trabalhando ao lado de várias bandas brasileiras influentes, como a Som Imaginário, a banda de rock progressivo O Terço e o trio de jazz funk Azymuth, ao qual se tornou padrinho.